PRÓS E CONTRAS

19 09 2007

Na segunda, dia 17 assistiu-se a mais um debate televisivo sobre Educação em Portugal. Aquele programa que por muitos é chamado de «Prós e… prós» teve mais uma vez a preocupação de convidar para o painel gente que não incomodasse muito a Sra.Ministra. Repare-se que o Dr. qualquer coisa Canavarro, ex-secretario de estado do PSD, senhor de um discurso muito académico e de uma fluência verbal notável, passou o programa a gabar a obra da Sra. Ministra e só no final quando esta lhe pisou dois ou três calos, é que o Dr. se sentiu atacado pessoalmente e assistiu-se a uma especie de peixeirada sobre uma coisa que não interessava nem ao menino jesus…

Agora, houve sim uma diferença relativamente a outros programas similares; finalmente um sindicato tem à frente alguém com coragem e com um discurso mordazmente verdadeiro. Falo de Mário Nogueira da fenprof que foi, para mim, a estrela da noite, pois foi a única pessoa que até hoje venceu aos pontos a Ministra em debate público. O K.O. final foi quando, após mais umas estocadas dadas por Mário Nogueira, a Ministra disse: -Não tenho nada a dizer!!! No entanto, o que é facto é que no terreno das operações quem manda é ela e ela é que vence sempre.

De resto, é impressionante como esta senhora faz lembrar a orquestra do titanic, ou seja, o barco a afundar-se e eles a tocarem. Vem esta senhora falar em comemorar quando sabemos que a Educação em Portugal continua um brutal fracasso; vem esta senhora atribuir a culpa desse fracasso aos professores, lançando-lhes ataques de morte de uma forma cega, prejudicando bons e maus e ninguém lhe consegue dizer, nem ela entende que o grande culpado deste triste fenómeno não está na escola. Está na família e, em primeira instância, na cultura do país. Como se pode acusar um professor de ser mau profissional, chumbando um aluno que se está completamente nas tintas para a vida escolar, quando na mesma turma o mesmo professor tem alunos brilhantes. Pergunto: quem mudou? O professor é o mesmo, não? Isto é tão simples de constatar e não vejo ninguém capaz de dizer isto à Ministra.

Eu gostava de ver esses catedráticos (Ministra incluida) que falam na poção mágica para motivar alunos, à frente de uma turma de 20 indigentes, cuja principal expectativa é ter um telemóvel melhor que o do colega ou um brinco de lata espetado na orelha e estando no 7º ou 8º ano não sabem ler nem escrever e nós professores somos praticamente ameaçados se chumbarmos estes alunos.

Por favor, não brinquem comigo. Enquanto este país continuar a ser regido por uma mentalidade bacoca, em que a peocupação das famílias é dar aos filhos todos objectos mundanos para que eles pareçam ricos como os outros e não lhes incutirem pricípios de valores humanos, hábitos de esforço e trabalho para vencer na vida, os professores continuarão a ser maus. No entanto, quando as famílias têm uma linha de rumo, colocam a cultura e o civismo acima dos telemóveis e das consolas, educam os filhos em vez de deixarem que a TV e a NET lhes tomem o lugar…. que curioso… aí os mesmos professores já são bons! E esta hein???

Paulo Carvalho

Anúncios

Acções

Information

25 responses

21 09 2007
José Carrancudo

Os organizadores dos debates públicos têm uma noção (errada) de que os responsáveis políticos são as pessoas com mais completos e mais correctos conhecimentos sobre a Educação. Na realidade, são estes responsáveis, juntamente com os seus predecessores, e movimentos semelhantes ao “Movimento da escola moderna em Portugal”, uma organização de cariz político-ideológico, que transformaram a nossa educação naquilo que não é capaz de funcionar por princípio, pois o seu paradigma encontra-se fatalmente viciado por deturpações ideológicas.

12 03 2008
Cap. Campos de Barros

Caro Professor
Como cidadão consciente e pai e sogro de três professores, desejo manifestar o meu total e incondicional apoio à carta dirigida ao sr. Rangel ( o s pequeno não é lapso).
Também eu dirigi uma carta ao CM que, penso, através da minha nora , está a ser divulgada.
Felizmente que neste país dirigido por politicos que nem no terceiro mundo deveriam ser aceites, ainda há quem não abdique dos seus direitos, mesmo quando já vai sendo necessário ter alguma coragem para exprimir livremente as suas opiniões,
Como cidadão e amante da liberdade, para cuja implantação dei o meu contributo, o meu muito obrigado.
Que nunca a voz lhe doa…
Os melhores cumprimentos,
Campos de Barros

12 03 2008
Helena Victorino

Caro colega,
Não quero deixar de o felicitar pela resposta dada à carta do sr. Rangel. Todos nós deveriamos ter a sua coragem e determinação (e contra mim falo), mas, por vezes, perante tanto insulto e calunia, a indignação e a revolta deixam-nos sem palavras e estupfactos, sem reacção. Haja alguém que tenha o dom da palavra e que fale por todos nós. Um bem haja e um muito obrigada.
Os melhores cumprimentos
Helena Victorino (docente da Escola E.B.2,3 de Arganil)

12 03 2008
Maria Dinis Machado

Caro colega:
É lamentável ver uma classe como a nossa sempre enxovalhada na opinião pública , por gente pseudo-classificada como o dr.Rangel que, aliás, até pela sua actuação na sua vida privada, tem demonstrado não se orientar pelos melhores valores ! Trata-se de um indivíduo que não respeitou a mulher , que ele destruiu paulatinamente na opinião pública, retirando da ribalta uma das melhores jornalistas portuguesas , colocando-a num plano descendente de humilhação e destruição. Valerá a pena tanta indignação com um indigente destes?Mas é um facto que nós os professores não devemos permitir que tudo e todos deêm opiniões sobre a nossa forma de actuação e que, ainda por cima, gente desclassificada como é o caso, venham dar lições de moral, venham dizer o que é bom e o que é mau.
As escolas não podem ser dirigidas por todos menos pelos professores, nada poderão fazer se o sistema não tiver em conta o trabalho docente – uma escola que não seja a favor dos professores não pode ser a favor dos seus alunos!
Contamos com a sua lucidez nas próximas intervenções que, esperamos, se façam ouvir com frequência.

13 03 2008
Teresa Pereira

Caro colega,

fico muito contente por ainda haver professores com tempo para responder aos insultos do Dr. Emídio Rangel, que eu não tenho porque, nesta altura do período, ando a pensar notas, a preencher grelhas de avaliação, a agilizar a reunião de conselho de turma de que sou directora e outras coisas que o colega deve conhecer tão bem como eu.
Por outro lado, não sou nenhuma vendida do PS mas não embarco em «rebanhos» que criticam tudo o que venha de novo e que, realmente, contribua para melhorar o ensino em Portugal.
Não gosto da forma como alguns professores com responsabilidade na formação de jovens falam na televisão, nos media ou em qualquer lado, desafiando tudo e todos sem educação e sabedoria. É pena mas estamos a a prender com os nossos alunos a ser malcriados !
Se o colega não gostar do Dr. Rangel pode optar pelo Dr. Miguel Sousa Tavares que escreve coisas semelhantes no Expresso ou o Dr. Fernando Madrinha que escreve no mesmo jornal. Também serão palernas e atrasados mentais?
Caro colega, eu percebo que as mudanças assustem mas são necessárias e, já agora, convido-o a fazer uma pequena sondagem : pergunte aos seus colegas da escola onde lecciona quantos já leram, na íntegra, toda a legislação que saiu e depois conte quantos os que estiveram na manifestação e vai de certeza tirar conclusões!!!
Ser professor é uma missão! eu vim por vocação e por isso, mesmo que tenha que ver tudo mudado à minha volta, vou persistir!

Só há uma coisa que me preocupa é a resposta que hei-de dar aos meus alunos quando me perguntam:« stora, nós é que somos malcriados? e então os profs a discutirem com a ministra?»

Pense nisso, colega !!

Até sempre!

13 03 2008
Isabel Carvalho

Caro colega,

gostaria de lhe dar os parabéns pela carta resposta que escreveu. Só li o artigo depois de ler a carta e fiquei pasma com tamanha estupidez (Emidio Rangel, claro!). Mais me espanta que esse senhor elogie uma ministra que levou a internet a todas, mas acabou com as disciplinas que podem dar formação na área aos alunos, ou seja, acabou com TIC no 10º ano para dar mais horas a disciplinas como Biologia e Geologia ou Fisica e Quimica para realizarem supostos trabalhos experimentais (só pode ser para rir, na prática não é isso que acontece).
A ministra pode sempre dizer que não acabou com a formação na áera das TIC mas se pensarmos que a disciplina transita para o 7º e 8º ano de escolaridade com apenas um bloco de 90 minutos semanal e considerando que é uma disciplina eminentemente prática, facilmente podemos tirar coclusões. Além disso, o programa não se adequa a esta faixa etária que tem dificuldade em perceber a finalidade de determinados conteúdos e não tem ainda formação para perceber outros.
Se o Sr. Emidio Rangel apoia tanto as medidas da ministra só pode ser por total desconhecimento da realidade quer das alterações dos curriculos quer dos motivos que levaram os professores a participar/apoiar a Marcha da Indignação.
Para terminar gostaria de dizer que faço parte dos 40000 que, por motivos familiares, não poderam participar.
Bem-haja.

13 03 2008
Pedro

Não sendo professor, não quero deixar de manifestar o apoio a quem se sente lesionado.
Há sempre direitos e deveres.
Os últimos, por vezes, são postos de lado quando há metas que nos cegam.

Nos momentos de cegueira, há uma única cor: o verde do dinheiro do tacho.
Excelente carta aberta.

Parabéns

13 03 2008
Manuel Serapicos

Caro colega:
Um indivíduo do jaez do Sr. Rangel, nem digno é do desprezo que pessoas de bem, lhe possam reservar. Quem tem a desfaçatez de produzir inverdades trauliteiras, como esse senhor fez, obriga-nos a formular a seguinte pergunta:
Como foi possível que um sujeito deste calibre ético e intelectual, pode ter estado à frente os destinos de uma Estação de Televisão, como a SIC? Pobre país este!!!
Parabéns, podia, até, ter sido mais cáustico.

13 03 2008
Vera Castanheira Nunes

Paulo

Quando tomei conhecimento das alarvosidades do senhor rangel, pensei e disse que o desprezo é o melhor. Ou que os cães ( que são bem mais interessantes que o sr. rangel ) ladram e a caravana passa. No entanto, depois de ler a sua carta , digamos que alterei um pouco a importância que dei ao silêncio. Tem razão, é preciso responder à letra mas com dignidade- o que o Paulo sem dúvida fez -a senhoritos, até para que se ponham no seu devido lugar. Que haja quem não se cale é digno do meu respeito. Obrigada Paulo por não se calar, por ter falado por mim, por nós.
Também eu sou Professora, comecei aos vinte e um anos, antes do 25 de Abril, a nossa classe já passou por muita coisa, boa e má, mas a nível de Mau, penso que agora estamos a chegar ao ponto de ebulição. O estar calado, por vezes, é criminoso. E, para terminar, lembro as palavras em chama de um terrível comunista (esse sim, era comunista) , que brilharão rudes e belas, quando do sr. rangel nem o mais leve rasto ficará : AQUI NINGUÉM ME PÕE A PATA EM CIMA

Um abraço
Vera

13 03 2008
Jose Neves

Enfim, aderi à blogosfera!
26

12

2006
Tondela, 1 de Janeiro de 2007

Olá!

A partir de hoje, este espaço está aberto a todos os que queiram partilhar questões e emoções, sobretudo, relacionadas com os temas acima descritos e outros.

Apesar de se tratar de um blog, fiz dele o meu site na Internet.

Desfrutem e um abraço do Paulo Carvalho

Será isto um sinal, um aviso ou uma ameaça? »

Acções
RSS dos comentários
Trackback
Informação
Data : 26 Dezembro 2006

Categorias : Uncategorized
One response para “Enfim, aderi à blogosfera!”
13

03

2008
Jose Neves (19:44:25) :

Boa, Paulo eh tempo de por os “rangels” os “socrates” e as “lurdinhas” no lugar que mereceu na nossa sociedade, caixote do lixo. Cambada de oportunistas e sanguessugas de um povo e um pais, que se nao correr com essas carra£as, acabara por nao ter for£a para fazer outro 25 de Abril, que jah tarda, para acabar com a classe que nos “governa” ah demasiado tempo. Parabens aos PROFESSORES que participaram na manif e continuem a lutar, nao se deixem derrotar por esses paquidermes, “determinados”, em nos roubarem de toda a dignidade.
Bem hajam
Ze Neves, Uk

Deixe um comentário

13 03 2008
odete

Ah! valente!
Ainda há gente com coragem e honestidade.
Fomos 100.000 e seremos mais, se necessário. Muito custou a liberdade e não serão meia dúzia de pseudodemocratas, sem escrúpulos que nos porão em causa, nem àquela profissão que eu amo, que tenho, e que considero a mais linda do mundo – SER PROfESSOR, bem como a escola pública. Somos nós que mais marcamos uma sociedade. Às vezes também falhamos e temos como resultados estas espécies tipo Rangel. Aqueles que foram seus professores devem sentir-se profundamente fracassados!
Baião, 13 de Março de 2007

13 03 2008
Isabel Henriques

Caro Colega:
Gostei muito dos seus artigos e como professora assino por baixo.
Considero o seu artigo um acto de coragem. Quando li o artigo desse senhor pensei que não merecia qualquer resposta mas depois de ler o seu artigo mudei de opinião.
Os professores somos, na sociedade portuguesa, mais importantes do que aquilo que nos é reconhecido, a escola não somos nos mas sem nos a escola não existe. Tenho orgulho na minha profissão e acredito que existem mais bons profissionais do que maus.
Não me oponho a uma avaliação, mas quero uma avaliação justa que respeite aquilo para o que estudei, ensinar… E ensinar é o que mais gosto de fazer.
Isabel Henriques

14 03 2008
Carlos Amaro

Do “Correio da Manhã” há mais vejam o link

http://www.correiodamanha.pt/noticia.asp?id=281147&idselect=93&idCanal=93&p=0

Quando o artigo saiu enviei um Email que aqui reproduzo. Pedi recibo mas não o deram, como não foi devolvido parto do princípio de que alguém o leu.

To: cartas@correiomanha.pt
Sent: Monday, March 10, 2008 12:45 AM
Subject: coisas do circo
Exmos srs
Sou professor há 34 anos, e sinto-me indignado com o artigo, aliás muito bem situado na coluna “coisas do circo”, certamente escrito por um palhaço, (perdoem-me os artistas) que não sabe o que se passa na educação nem nas escolas. Sei que não há censura mas seria bom que a direcção do jornal tivesse cuidado com este tipo de barbaridades mesmo escritas num jornal que sempre considerei mediocre. Gostaria de não voltar a ser ofendido, com ensaios de palhaçada. Estou ao dispôr do palhaço pouco esclarecido que escreveu o artigo, para lhe demonstrar, quanto errado está, nas barbaridades que vomitou no vosso jornal. A ignorância tem solução, o mesmo não se pode dizer da estupidez.

Carlos Manuel Amaro

14 03 2008
José Bento Silva

Parabéns, caro professor. É preciso repor a verdade e a justiça que este governo iníquo e os seus propagandistas têm desbaratado. Um abraço. Bento Silva

14 03 2008
José Palma

Caro colega,
quero dar-lhe os parabéns e dizer-lhe que subscrevo a carta que dirigiu ao Rangel, mas permito-me discordar dos termos em que reconhece igual legitimidade ao indivíduo para classificar os outros, é que me pergunto quantos professores terão arrombado portas como ele fez nas instalações da TSF, como qualquer ladrão vulgar! Ele andou de berbequim na mão a assaltar escritórios.
José Palma
PS: À colega , que nestes comentários defendeu as reformas em curso, e avança como argumentos, as opiniões do Doutor Sousa Tavares, gostaria de lembrar que este tem em comum com o Srº Rangel, não apenas a arrogância mas também um profundo desconhecimento das coisas da educação.

15 03 2008
João Tilly

Um abraço.

Também eu disse à ministra o que a Clara me deixou dizer no primeiro Prós e Prós dedicado à deseducação da ministra, o ano passado.
A palhaçada na educação não é diferente da palhaçada no país. Temos que ter também essa clareza de visão.
Acabo de escrever uma resposta ao sr Albino Almeida, da Confap, que faz o favor de trocar uns galhardetes comigo.
Dê uma volta no meu blog velhinho, se tiver tempo.
Um abraço.
JT
PS – Passei muitas férias da minha infância em Castro Daire, terra do meu saudoso tio Zeca – Dr Zeca (Guerra Cerdeira) – recentemente falecido.
Castro Daire é um sítio mágico.
Um dia tenho que aí voltar…

15 03 2008
Eduarda

Quero deixar aqui o meu repúdio pela maneira como o “ Dr. Rangel” se refere á classe docente.
Que sabe esse senhor sobre a digna missão que é a de ensinar desde a mais tenra idade as crianças deste país, que todos queremos que seja cada vez mais literado?
Segundo já li sobre este senhor, e a sua vida académica, esta deixou sempre muito a desejar no que respeita a regras de educação. Não admira que sem bases hoje se refira a nós professores com a má educação, que pelos vistos já lhe é habitual.
Agradeço a quem me proporciona um espaço onde posso deixar a minha revolta pela forma como todos nos tratam. Infelizmente pessoas que se julgam muito cultas e que deveriam por isso um exemplo de civismo e educação, ao abrirem a boca o verniz estala e revelam como são mal formados.

16 03 2008
José Manuel

Já agora, para não pensarem que o Rangel e o Sousa Tavares são os únicos aqui vai mais um comentário, desta feita do Director do Diário Económico. Leiam e pensem primeiro, antes de continuarem a olhar para o próprio umbigo. Já agora não confundam, o sistema de ensino, as politicas de ensino, os interesses dos alunos, com os interesses (justos obviamente) dos professores. E sobretudo não se deixem instrumentalizar, pela CGTP e pelo PCP. Os verdadeiros professores, os alunos e o País merecem melhor do que isso. Ah! E já agora não se esqueçam que, dos Funcionários Públicos os professores são seguramente dos mais bem pagos. Afinal do que é que tem medo? Da avaliação? Hoje em dia toda a gente é avaliada porque não os Srs. professores?
Acreditem, sei do que falo, com conhecimento de causa. Ser-se professor, é uma vocação, é um sarcedócio. Infelizmente para o sistema, durante muitos anos, ia-se para professor quando não se conseguia emprego noutro lado. Depois por alturas dos anos 80, começaram a incluir nas licenciaturas, nos dois últimos, (para além dos normais), as chamadas pedagógicas, sendo o último a profissionalizaçao em exercicio. Foi de facto uma melhoria apesar de injusta para aqueles que andavam há muitos anos sem conseguirem a profissionalização. Enfim, penso que nisto tudo deve haver muita ponderação e bom senso.

27 03 2008
MARIA

ÉS BRILHANTE . CONTINUA A ESCREVER.

29 03 2008
Rui Carneiro Barros

Caro Colega Paulo Carvalho:
Brilhante, concordo com tudo que escreveu e dou-lhe portanto todo o meu apoio.
Praticamente em quase tudo, mas principalmente na Educação, este país (que já o foi; duma Nação que ainda o é) continua a ser regido por uma mentalidade bacoca e por politiqueiros que em pseudo-democracia se servem do Povo em vez de servir o Povo (a Nação de 865 anos!).
UMA ESCOLA FÁCIL NÃO EDUCARÁ NUNCA PARA A VIDA DIFÍCIL!
Uma escola sem metas de esforço, sem premiar devidamente o empenho pelo estudo (a primeira Escola do Trabalho), sem penalizar devidamente os mandriões os morcões os preguiçosos os facilitistas, sem preocupação de recuperação efectiva (com trabalho e conhecimento) dos recuperáveis, não conseguirá formar NUNCA o futuro de Portugal (os Jovens).
Em vez de se nivelar por baixo a (falta de) qualidade da Educação Nacional, deve-se desenvolver pedir e exigir sempre cada vez mais.
O problema da educação em Portugal, e praticamente da maioria dos aspectos nacionais da última dezena de anos, é que se pretende SOCIALIZAR A MISERIA (do facilitismo, da incultura, da permissividade, do oportunismo, dos maus exemplos, da criminalidade, da morte, do ABORTO, do aborto de abortos como humanos, etc) DA MEDIOCRIDADE, em vez de DEMOCRATIZAR A RIQUEZA DA EXCELÊNCIA, DOS VALORES SÃOS, DO CONHECIMENTO E SABEDORIA.
Só nestas últimas perspectivas se constrói um País, se re-constrói uma Nação (actualmente SEM RUMO, a não ser o do abismo que se aproximará a olhos vistos se nada de verdadeiramente EFICAZ for feito), e se assegurará o FUTURO DE PORTUGAL E DOS SEUS PORTUGUESES.

CONHECIMENTO É PODER: sempre foi verdade, e cada vez mais será mais verdade no mundo altamente competitivo em que a ALDEIA GLOBAL PLANETA TERRA se converteu. E saibam que o futuro não será nada complacente com os medíocres em qualquer nível ou grau, em qualquer sociedade mundial.

Já devíamos ter arrepiado caminho para a vereda do Conhecimento Estudo e Trabalho, há décadas atrás. Ainda será possível fazer muito, mas quanto mais tempo passarmos neste ímpasse de líderes incompetentes, sem VISÂO REAL DAS NECESSIDADES FUTURAS E DA REALIDADE EDUCATIVA (apenas com visões), sem objectivos de SERVIREM O UNIVERSO DOS PORTUGUESES e não os oportunismos partidários, então continuaremos com o FUTURO HIPOTECADO para todos nós.

A ESCOLA DE QUALQUER NÍVEL INCLUINDO O UNIVERSITÁRIO,

VIVAM OS PROFESSORES Portugueses que servem e querem servir o Futuro de Portugal (as jovens gerações) afirmando com coragem e determinação a VISÂO ESTRATÉGICA NECESSÁRIA AO DESENVOLVIMENTO NACIONAL QUE NUNCA OCORRERÁ SEM ESFORÇO DEDICAÇÃO EMPENHO E CONHECIMENTOSEM EMmas

1 04 2008
Helena

Apesar de não ser sua colega, não quero deixar passar a oportunidade de o felicitar pela coragem demonstrada e ao mesmo tempo compartilhar a indignação que senti ao ler o artigo do Sr. Emidio Rangel! É revoltante ver os professores, que tanto admiro, serem humilhados desta forma. A eles devemos tudo o que sabemos. Deveríamos estar gratos por todo o esforço, dedicação e até mesmo sacrifício, que os Professores fazem, para que os nossos filhos venham a ser “alguém”. Sacrifício, sim!!!… porque nos dias de hoje… com a educação que os alunos possuem… eu preferia ser empregada doméstica. O meu louvor a quem tanta coragem tem, para continuar tão árdua tarefa.

3 04 2008
ruinzolas

Gostava de lhe agradecer esta frase, recordando-lhe que indigente significa “aquele que vive na indigência, na miséria.”
Certamente estaria a pensar nos meus filhos.
Mais uma vez obrigado.

“Eu gostava de ver esses catedráticos (Ministra incluida) que falam na poção mágica para motivar alunos, à frente de uma turma de 20 indigentes, cuja principal expectativa é ter um telemóvel melhor que o do colega ou um brinco de lata espetado na orelha e estando no 7º ou 8º ano não sabem ler nem escrever e nós professores somos praticamente ameaçados se chumbarmos estes alunos”

Imagino-o numa sala de aula de olhar sobranceiro olhando os indigentes enquanto enfadado aguarda pelo toque de saída.

Mais uma vez obrigado por esclarecer acerca da visão que um professor tem do meu filho.

P.S.: Certamente esqueceu-se que este blog também pode ser lido por não professores.

4 04 2008
pjrcarvalho70

Sr. Ruinzolas:

Eu sei muito bem o que quer dizer a palavra «indigente»; parece que afinal sempre temos dicionários iguais!
Tive, no entanto, bons professores de Língua Portuguesa que me ensinaram os chamados recursos estilísticos da língua, como metáforas, conotações, sentidos pejorativos, etc, que servem para dar às palavras significados diferentes para reforçar ou enriquecer o discurso…
Agora, se os seus filhos são miseráveis, é o senhor que o diz e nada tenho a ver com isso!

Este blogue pode e deve ser lido por não-professores! Já o não deverá ser por anti-professores!

Paulo Carvalho

6 04 2008
ruinzolas

Certamente que os seus professores de Português eram excelentes.
Até porque pela idade que aparenta ter somos do mesmo tempo.
Do tempo em que os professores sabiam como nos ensinar e nos motivar a aprender.

E, sem discutir, os inúmeros recursos estilísticos em que a nossa língua é rica (nomeadamente os que refere) porque isso daria pano para mangas, fico a saber que utilizando a palavra indigente para caracterizar os alunos a que tem o desprazer de dar aulas apenas pretendeu reforçar a ideia ou sentimento que, de facto, nutre pelas crianças com as quais tenta comunicar.

Quanto aos meus filhos (que é como quem diz os seus alunos) não serão miseráveis certamente. No entanto, neste nosso sistema educativo temo pelo seu futuro, especialmente quando ficam cara a cara durante não sei quantos anos lectivos com alguém que simplesmente os acha…. digamos… indigentes.
Ah… é verdade… o recurso estilístico…

P.S.: A coorporação deverá abrir-se ao mundo. Porque já lá vai o tempo em que “quem não é por mim é contra mim”. Eu não sou anti. Quando muito serei contra os maus professores.

11 04 2008
M. Brito

Não sendo professora, cumprimento-o pela carta aberta ao sr. Rangel, pela reacção ao plágio, pela qualidade deste sitio e pelo talento que demonstra no exercício da cidadania. Parabéns!

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s




%d bloggers like this: